Jornada Scania







[ Fazendo história ] -- 01/07/2021
[ Texto: 528 Comunicação Com Propósito / Fotos: Scania ]

Transformar o transporte é a nossa paixão

Na segunda live da Semana da Paixão Scania, veja como a jornada de sustentabilidade da empresa tem despertado também a paixão de clientes e parceiros da marca para aquele que é o propósito maior da Scania no Brasil e no mundo: transformar o setor de transportes.
Que mundo você quer deixar para as próximas gerações? É respondendo a esse questionamento que você também responde às perguntas que o mundo mesmo, por si próprio, te faz. E é pensando nisso que você, seja pessoa física ou empresa, traz a sustentabilidade para a conversa e também para a prática. O planeta pede por atitudes. Cabe a nós tornar discurso em ação para vermos a transformação que tanto queremos.
Essa é a reflexão que a Scania te convidou a fazer na segunda live da semana de comemoração do aniversário de 64 anos da marca no Brasil. O encontro reuniu convidados especiais e histórias inspiradoras de quem tem, verdadeiramente, paixão por sustentabilidade e inovação: a TransMaroni, a RN Logística e a Jomed, clientes que têm apostado na tecnologia do novo caminhão movido a GNV e/ou biometano da marca; a Nestlé e o Mercado Livre, dois grandes embarcadores e parceiros do setor de transportes; a Associação Brasileira do Biogás (Abiogás) e a Fundação SOS Mata Atlântica, que tanto têm feito por um planeta e um futuro mais limpos.
Ao lado desses e de tantos outros parceiros, a Scania vem trilhando a sua jornada de sustentabilidade. Afinal, transformar o mundo dos transportes é uma tarefa que demanda união, parceria e a partilha dos mesmos objetivos. “A consciência coletiva é o que vai fazer a diferença. Vamos chegar ao momento em que as empresas não sustentáveis não sobreviverão porque ninguém vai querer comprar, investir ou trabalhar nessas empresas. Ser sustentável não é futuro, é o aqui e agora, é o que podemos fazer hoje. Temos muito orgulho de estarmos na vanguarda do setor. Mas sabemos que não vamos fazer isso sozinhos, e sim junto com as empresas de transporte e compradores de transporte de cargas”, afirmou Christopher Podgorski, presidente e CEO da Scania América Latina, durante a abertura do evento.
O início da jornada
Foi em 2016, quando trouxe para o mercado soluções que contribuem com o impacto positivo no meio ambiente, nas pessoas e nos negócios, que a jornada da Scania começou. E não parou mais. Tanto que hoje, além de desenvolver produtos e serviços com esse foco, tem também seus objetivos em sustentabilidade baseados em ciência. “Somos a primeira montadora no mundo a ser parte do Science Based Targets, ou seja, tudo o que a gente tem escrito como propósito está baseado em ciência. E são dois os nossos grandes objetivos: reduzir em até 50% as emissões de CO2 das nossas próprias operações e diminuir em 20% as emissões dos produtos que vendemos”, detalhou Márcio Furlan, diretor de Marketing, Comunicação e Sustentabilidade da Scania no Brasil.
Nesse caminho, felizmente sem volta, a Scania fortaleceu os laços com clientes que já eram parceiros da marca e se tornaram também companheiros nesta jornada de sustentabilidade. Foi o caso da TransMaroni, hoje a transportadora com maior número de veículos movidos a GNV no Brasil; da RN Logística, que comprou o primeiro caminhão a gás comercializado pela marca; e da Jomed, que também abraçou a causa e hoje já conta com 10 unidades do modelo em sua frota.
“Temos plena consciência de que não dá mais para falar de negócio sem trazer a sustentabilidade para as nossas discussões. Nós, como transportadores, fazemos parte desse ecossistema e temos obrigação de buscar incessantemente um frete mais limpo com redução de emissão de CO2, tratar os resíduos que geramos de forma mais coordenada e entregar para a sociedade um planeta mais limpo”, pontuou Sérgio Pupo, diretor de Gestão e Novos Negócios do Grupo Maroni.
Esse espírito inovador também faz parte da gestão de Rodrigo Navarro, proprietário e diretor da RN Logística. Foi ele o responsável pela compra do primeiro caminhão movido a gás vendido pela Scania no Brasil, durante a Fenatran, em 2019 – história da qual ele e a Scania se orgulham. “Alguém tinha que iniciar. O que nos motivou foi justamente o trabalho com nossos embarcadores. Atendemos grandes clientes e eles acreditaram muito nesse projeto. Hoje também somos a transportadora com o maior número de veículos elétricos do Brasil. Agradecemos muito a oportunidade que a Scania nos deu de começar com a trajetória do gás no país”, disse Rodrigo.
Um mundo de oportunidades
Nesta outra ponta estão aqueles que, mais do que acreditar e apostar em um transporte mais sustentável, geram cada vez mais essa demanda por fretes verdes: os embarcadores. “Temos alguns tipos de programa de logística e estamos avançando, na mobilização pelo uso do biometano ou do GNV. Seria impossível fazer isso acontecer sem a colaboração das empresas com as quais trabalhamos como a RN, um parceiro muito importante para o Mercado Livre”, destacou Ariel Katz, Gerente de Meio Ambiente do Mercado Livre.
O mesmo acontece nas operações da Nestlé, o que mostra que é a união de forças que irá gerar um impacto positivo. “Existe a preocupação com o mundo que a gente vai deixar e toda a questão do que a indústria e o ambiente privado e público precisam preparar nesse sentido. A Nestlé iniciou essa jornada há alguns anos e ela permeia toda a nossa cadeia produtiva. Estamos há 100 anos no Brasil e reduzir as emissões faz parte dos nossos objetivos. Vejo que hoje se tivessem mais veículos à disposição estaríamos contratando. A frota ainda é pequena, existe um potencial muito grande e também temos trabalhado muito para construir um modelo de contratação de frete que coloque com prioridade o veículo mais sustentável. Falta a disponibilidade de veículos, mas tenha certeza de que muitos desses estarão rodando para as entregas da Nestlé porque assumimos compromissos nesse caminho e vamos buscar alternativas em todos os lugares”, afirmou Alexandre Teixeira, diretor de Logística da Nestlé.
E se existe potencial para o transporte, existe também para novas fontes energéticas. Gabriel Kropsch, da Associação Brasileira do Biogás (Abiogás), explica que é neste caminho que está o biometano, tão falado e ansiosamente esperado pelo mercado brasileiro: “Como o biometano vem de resíduo, ele é uma sobra, uma ineficiência do processo. A tecnologia vem para acabar com essa ineficiência, o que vai gerar redução de custo e levar a um menor impacto ambiental. Então quando falamos do tripé da sustentabilidade [econômico, social e ambiental], o biometano traduz esse conceito”. Segundo Gabriel, o Brasil tem um potencial de produção que chega a 120 milhões de metros cúbicos por dia, o que corresponde a 70% do volume total de diesel.
Por um futuro mais verde
Enquanto todo esse potencial não se transforma no “novo normal” do transporte, na prática, a Scania segue sua missão de liderar a transição para um setor mais sustentável, entregando ao mercado tecnologias e soluções possíveis de serem usadas aqui e agora, pelo bem do planeta. A marca também mantém firme o compromisso de plantar uma árvore a cada caminhão, ônibus ou motor industrial, marítimo e para grupos geradores de energia vendidos e a cada financiamento e cotas de consórcio comercializados em um ano por meio da parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica, que também tem a TransMaroni como adepta.
“Iniciativas e parcerias como a da Scania e da TransMaroni são absolutas, porque a Fundação funciona exclusivamente com recursos privados, pessoas físicas e jurídicas. Empresas podem atuar em diversas formas de parceria, com programas de restauração florestal ou desenvolvimento de soluções para problemas dentro do processo fabril que envolvam meio ambiente, por exemplo. Pessoas físicas também podem participar: se engajando nas redes sociais oficiais da SOS, levando mais conhecimento sobre o bioma para terceiros, fazendo doações para a Fundação ou mesmo com o plantio de árvores”, explicou Olavo Garrido, diretor de Finanças e Mobilização de Recursos da Fundação SOS Mata Atlântica.
É sobre o que falávamos no início desta reportagem: que mundo você quer deixar por aqui, para as futuras gerações? Afinal, sustentabilidade é interconexão e também depende de você.
Perdeu esse encontro ou quer ver de novo para aprender ainda mais sobre o tema, além de saber tudo sobre os caminhões a gás da Scania? Assista aqui, na íntegra:

Comentários

Envie seu comentário para ser publicado


Leia também:


A Scania é líder mundial de soluções de transporte. Juntamente com nossos parceiros e clientes, estamos liderando a transformação para um sistema de transporte sustentável. Em 2017, entregamos 82.500 caminhões, 8.300 ônibus, e 8.500 motores industriais e marítimos para nossos clientes. A receita líquida alcançou quase 120 bilhões de coroas suecas, dos quais cerca de 20% eram relacionados a serviços. Fundada em 1891, a Scania opera em mais de 100 países e emprega cerca de 49.300 pessoas. Pesquisa & Desenvolvimento estão concentrados na Suécia, com filiais no Brasil e na Índia. A produção ocorre na Europa, América Latina e Ásia, com centros regionais de produção na África, Ásia e Eurásia. A Scania faz parte da TRATON AG. © Copyright Scania 2018 All rights reserved. Scania Brasil, Av. José Odorizzi, 151 - Vila Euro, São Bernardo do Campo. SP. Tel: +55 11 4344-9333