Jornada Scania
Utilizamos apenas os cookies do Google Analytics para analisar nosso tráfego. Ao clicar em "Aceito", você concorda em dar seu consentimento para que todos os cookies sejam usados e as informações sejam compartilhadas com o Google Analytics.







[ Sustentabilidade ] -- 21/03/2023
[ Texto: 528 - Comunicação com Propósito / Fotos: Scania ]

É possível zerar as emissões do setor de transportes?

Estudo "Transporte Comercial Net Zero 2050" completa um ano. O que mudou? Quais são os próximos passos? E o mais importante: como zerar as emissões para, de fato, descarbonizar o setor de transportes? As respostas você confere aqui, na cobertura da live que relembrou os tópicos abordados no estudo e reuniu grandes nomes do mercado.

Estudo "Transporte Comercial Net Zero 2050" completa um ano. O que mudou?

Quais são os próximos passos? E o mais importante: como zerar as emissões para, de fato, descarbonizar o setor de transportes? As respostas você confere aqui, na cobertura da live que relembrou os tópicos abordados no estudo e reuniu grandes nomes do mercado.
Sustentabilidade não é mais opção, é necessidade. É também um desafio coletivo quando se trata de tornar o planeta mais limpo para esta e as próximas gerações. Mas para a Scania, esse caminho é a prática, tanto do lado de dentro dos seus muros por meio de ações e de um propósito claro, quanto do lado de fora, por meio de metas baseadas em ciência e, principalmente, trabalho em parceria.
Esse foi o foco da live que reuniu alguns de seus parceiros nessa jornada de transformação do setor de transportes e apresentou os principais pontos do estudo 'Transporte Comercial Net Zero 2050: Caminhos para a Descarbonização do Modal Rodoviário no Brasil', realizado pela Scania, em parceria com a Bain & Company Brasil e o Pacto Global da ONU no Brasil. O estudo completou um ano, mas segue mais atual do que nunca.
Empresas e entidades participaram do encontro para revisitar as conclusões do estudo e entender como avançar na agenda de sustentabilidade no setor. Fernando Martins, sócio da Bain & Company Brasil, relembrou os principais pontos levantados em 2021, quando o estudo começou, e destacou o que mudou desde então. “Continuamos discutindo com os agentes e empresas ao longo desse período. O transporte rodoviário comercial gera 8% das emissões no Brasil. Então, mesmo imaginando um crescimento moderado da economia e da população no Brasil, na casa de 3% ao ano pelos próximos 25 a 30 anos, esse número poderia dobrar se nada for feito. O desafio para a indústria de transportes, setor de energia e governo brasileiro é fazer com que a gente consiga dobrar o transporte do Brasil ao mesmo tempo que fazer com que a curva de emissões caia no decorrer desse tempo”, afirma.
Combustíveis alternativos
Fernando também destacou a importância de fomentar cada vez mais o uso de combustíveis mais limpos e alternativos ao diesel, como o gás natural, o biometano e o hidrogênio, no transporte de cargas brasileiro. Ele reforça que, apesar de serem
combustíveis de transição, essa mudança de matriz será longa e estima que deve levar entre 30 e 40 anos. “Então fazer políticas públicas e investimentos hoje vale a pena porque ainda vai haver uma vida últi desse investimento no longo prazo”, diz.
Sobre a eletrificação, ele foi enfático. “Por que não eletrificar tudo? Poderia ser possível, mas ia requerer investimentos em infraestrutura muito desproporcionais e realmente muito caros, algo não muito viável realisticamente”, explica.
Compartilhar para evoluir
Após a apresentação dos principais pontos do estudo, outros parceiros se uniram à conversa, mediada por Dominic Schmal, Diretor de ESG da EDP. “Tive o privilégio de participar desse estudo e enxergo como uma oportunidade. Todas as empresas querem se descarbonizar e posso dizer que o tema é atual”, aponta.
Ana Paula Grether, Head de ESG da Vibra, endossou o discurso mostrando algumas das ações práticas da Vibra. “Estamos investindo em novos combustíveis, porque temos potencial para contribuir com a descarbonização de diferentes setores. A gente se vê como exemplo de possibilidade de trabalhar a descarbonização por meio de distribuição de energia mais limpa e transporte sem nessecidade de carbono”, afirma.
Camilo Adas, conselheiro da SAE, reforçou o debate: “A partir do momento que aprendemos a usar as energias, o ser humano cresceu em população e vivemos hoje a economia do carbono. Então agora temos que deixar de pensar no carbono para pensar no hidrogênio como molécula de impulsionamento de energia”. O conselheiro ainda completou destacando a importância do trabalho coletivo. “Quem sabe mais precisa ajudar quem ainda não sabe tanto. As grandes empresas de certa forma sabem mais e, portanto, têm mais responsabilidade. Quando a gente pega essa visão para a cadeia inteira, começa a trazer essa cultura para todos. Cientistas, acadêmicos, empresas mais desenvolvidas têm que ajudar. É fundamental, apesar da dificuldade, para fazer essa roda girar”, concluiu.
Nesse mesmo âmbito, o Professor Márcio D’Agosto, Doutor em Engenharia de Transportes na Coppe – UFRJ, pôde contribuir mostrando como a comunidade tem usufruído dos relatórios e das mudanças no setor. “Todo o conhecimento que desenvolvemos é trabalhado em conjunto com o Programa LBV, que ajuda a difundir aprendizado em diferentes níveis de formação de pessoal e em diferentes segmentos. Conseguimos ajudar as empresas a colocar na prática a sustentabilidade no setor de transporte e logística”, conta.
Com as empresas tendo posse desse conhecimento e colocando a sustentabilidade em prática em seus produtos, o impacto é sentido na outra ponta da cadeia. “Temos 3.615 quilômetros de rodovias sob a nossa gestão, e esse é o nosso desafio. O caminho passa por alianças, temos vários pares que devem se unir, é um ecossitema que precisa trabalhar junto para os resultados”, ressaltou Onara Oliveira de Lima, Surperintendente de Sustentabilidade e ESG da CCR.
Jornada de transformação
É neste movimento que a Scania acredita. Tanto que, além de investir no estudo Net Zero em parceria com a Bain & Company, vem trilhando a sua jornada de transformação para melhorar não só o futuro, mas o aqui e agora do transporte no Brasil. “Nós já temos trabalhado nessa nossa missão de descarbonizar o ecossistema de transporte desde 2016, quando entendemos que esse deveria ser o nosso propósito. De lá para cá, todas as nossas decisões sempre passam por esse viés de adesão à nossa missão e de agregar valor ao cliente”, concluiu Christopher Podgorski, Presidente e CEO Scana Latin America.
Quer ver mais detalhes ou rever o bate-papo? Confira a live na íntegra aqui:

Comentários

William Barbosa de Paulo:

É de fundamental importância ter um planejamento bem definido e com alianças em sustentabilidade para um futuro de emissões zero no setor de transporte rodoviário, Scania é a referência e sempre esta em destaque com produtos sustentáveis.

Envie seu comentário para ser publicado

Ao preencher o formulário, autorizo a utilização dos meus dados para envio de comunicações relacionadas aos meus interesses e concordo com a Declaração de Privacidade.
* Você pode revogar seu cadastro a qualquer momento.

Leia também:


A Scania é líder mundial de soluções de transporte. Juntamente com nossos parceiros e clientes, estamos liderando a transformação para um sistema de transporte sustentável. Em 2017, entregamos 82.500 caminhões, 8.300 ônibus, e 8.500 motores industriais e marítimos para nossos clientes. A receita líquida alcançou quase 120 bilhões de coroas suecas, dos quais cerca de 20% eram relacionados a serviços. Fundada em 1891, a Scania opera em mais de 100 países e emprega cerca de 49.300 pessoas. Pesquisa & Desenvolvimento estão concentrados na Suécia, com filiais no Brasil e na Índia. A produção ocorre na Europa, América Latina e Ásia, com centros regionais de produção na África, Ásia e Eurásia. A Scania faz parte da TRATON AG. © Copyright Scania 2018 All rights reserved. Scania Brasil, Av. José Odorizzi, 151 - Vila Euro, São Bernardo do Campo. SP. Tel: +55 11 4344-9333